Entre os dias 15 e 25 de agosto, o Rio de Janeiro recebeu um dos maiores eventos de gastronomia do Brasil, o Rio Gastronomia.

E para comemorar os DOIS meses de Morda de Inveja, nós recebemos a ilustre colaboração da Vivi Rocha, que só não é fundadora do Morda, porque não tínhamos trocado tantas figurinhas gastronômicas antes da nossa estreia! Vivi, como nós, é daquelas que ama cozinhar em casa, receber os amigos, gasta com gosto em restaurantes, é fã de livros de culinária, é sensível, tem uma câmera maneira e adora fotografar.

Com vocês, o Rio Gastronomia pelo olhar e paladar de Vivi Rocha:

O evento contou com aulas de grandes chefs pelas ruas da cidade, apresentações musicais, programação infantil e, claro, um roteiro com 441 restaurantes com menus especiais.
Uma das grandes atrações foi o Circuito Rio Gastronomia, no Jockey Club. O público pôde participar de oficinas com chefs de restaurantes renomados, assistir a shows gratuitos e provar comidinhas deliciosas nos quiosques.

Enlouqueci com tantas opções deliciosas que vi por lá. Eles ofereciam porções pequenas a preços populares, a maioria entre R$10 e R$ 20.

Resolvi começar pelo japonês Ten Kai, que eu não conhecia. O restaurante tem duas filiais, uma em Ipanema e outra no Centro. Além de um cardápio bem variado, eles sugeriam 3 opções de petiscos, o Furi Crock, o Oshizuchi e o Salmão Brûllé.

Apostei no Furi Crock, que vi o sushiman fazer e me deixar com água na boca.
Realmente, o prato é  d e l i c i o s o! Tartare de salmão envolto por uma casquinha super crocante com uns temperinhos por cima. Estava ali, ao lado do sushiman, me deliciando com o prato, quando ele olha para mim e pergunta se eu imaginava o que  era a tal casquinha crocante. Eu disse que não e então ele todo sorridente (e  orgulhoso) me diz que é a mesma casquinha usada no rolinho primavera! Achei  incrível, uma ideia tão simples e tão saborosa. Poderia comer mais uns 20.

 

Os jovens chefs Luiz Farme e Tatiana Fernandes deram a receita do famoso hambúguer do Comuna, uma hamburgueria que fica escondidinha ali na rua Sorocaba, em Botafogo. A receita não é difícil, o segredo: vários temperos que entram junto com a carne, inclusive uma Stout, cerveja escura das boas.
Além da carne do hambúrguer ter ficado linda, eles fazem o próprio pão, que leva cacau na massa; a maionese, que fica bem mais leve que as prontas; e o catchup que também entra na receita da carne. Serviram para o público mini-hambúrgueres e pude ter a certeza que, além de lindo, é incrivelmente saboroso!

Finalmente chegou a vez da aula do chef Marco Espinoza, do Lima Restobar, aberto há alguns meses em Botafogo.
Ele fez uma causa de oliva, receita típica peruana, que tem como base massa de batata com limão e pimenta amarela em pasta, salada de azeitonas, polvo grelhado e por fim uma maionese de azeitona. A receita é linda e incrivelmente deliciosa! Como eram muitas etapas, não deu para pegar bem os detalhes, mas o que provamos no final já valeu por tudo. Junto com a causa ele serviu um tiradito tataki, com lombo de atum e gergelim branco. Tudo estava delicioso! Foi um dos palestrantes mais aplaudidos.

 

Resumindo, o Rio Gastronomia me apresentou sabores incríveis e restaurantes que pretendo conhecer o quanto antes.
Já tinha anoitecido quando saí da última aula e estava prestes a começar um dos shows do evento. Mas eu estava esgotada depois de toda essa maratona. Aí, quando estava indo embora, me deparei com um quiosque servindo um Bloody Mary desconstruído

A vodca foi servida com um tomatinho cereja temperado com os mesmos itens utilizados para fazer o Bloody Mary clássico. Era só virar a vodca e dar aquela mordidinha no tomatinho. Mordeu de inveja? Eu mordi.


1 Comment

  1. Hanna Menezes disse:

    Vou tentar fazer a receita.

Deixe seu comentário